segunda-feira, 25 de agosto de 2008

25 de Agosto de 2006 - O meu dia D

Foi no dia 25 de Agosto de 2006 na urgência do hospital Pedro Hispano em Matosinhos, que fiquei a saber que tinha cancro de mama. Era sexta-feira, já ía preparada para ficar internada, pois achava que tinha um quisto. O médico que me atendeu disse muito friamente que as verdades são para se dizer e na opinião dele era cancro de mama. Tirou um pouco de liquido, cheirou, deitou fora e deu o seu parecer. Depois deu-me uma carta fechada para voltar lá segunda-feira para falar com uma médica de cirurgia mamária. O Alvaro estava em estado de choque. Tinha cá fora à espera, os meus irmãos e um casal de amigos. Quando saí ficaram satisfeitos por eu não ter ficado. A partir daí já devem imaginar como foi o nosso fim de semana. Os únicos que souberam na altura foi o casal e as minhas Anitas. Segunda feira ía voltar ao hospital para fazer uma biópsia e talvez não fosse tão mau.
Segunda-feira logo de manhã lá fomos os dois, o saco com a roupa continuava na mala do carro. Depois de ser obervada por a tal médica, decidiu que tinha que ficar internanda para observação, exames e medicação. Terça fiz a biópsia e quarta já sabia que tinha um bicho mesmo mau. Fiquei a saber que tinha de fazer em 1º lugar quimio para diminuir a lesão, só depois pensariam na cirurgia. Fiquei internada de 28 de Agosto a 4 de Setembro. Dia 19 de Setembro iniciei a quimio, as piores doses que fiz até hoje. Resultou e dia 27 de Dezembro fiz a mastrectomia radical modificada.
Desde então não tenho parado com tratamentos. A metastese do cérebro em Dezembro de 2007, em Abril de 2008 a metastese do pulmão. O bicho é persistente mas eu também!!!

Têm sido uns anos dificeis, mas o apoio que sinto à minha volta têm me ajudado bastante.

Obrigada a todos que sempre estiveram comigo!!!


ADORO-VOS......ADORO-VOS......ADORO-VOS

11 comentários:

Loulou disse...

Tu és uma guerreira, minha querida amiga! Esse bicho foi-se meter com quem não devia.

Grande beijoca

Cristina J. disse...

Aida, eu queria dizer alguma coisa, a sério que queria mesmo, mas ando mesmo fora das palavras... deve ser alguma crise de letras, não sei.
...
E depois de ter parado de escrever, e pensar, durante uns largos minutos, olhando para o nada que escrevi em cima, só me vem á idéia o tanto que te quero dizer que te Adoro. Do coração. Desde o minuto em que te abracei, no dia 17 de Novembro de 2007 (por falar em datas!).
Ès a ternura personificada. Ficaste no coração de todos, cá em casa, pela força que tens contigo e doçura que transmites.

Vai ser com estas armas que atirarás o bicho para longe... bem longe!

Um beijão para vocês

Querubim disse...

Aida...não te conheço só daqui mas vejo uma MULHER que não se deixou nem nunca se vai deixar vencer, és uma lutadora e mereçes todo que a Vida tem de melhor!!
Força e fé!
Vaís conseguír!!!
Bjokas

Jen disse...

Aida,

Many many kisses to you in this fight! Forçaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

I am with you all of the way over here, always in prayer.

Hugs

Mrs. Sea disse...

Quem fala assim como tu, quem age assim como tu perante a vida, só pode ser uma guerreira, uma lutadora e uma vencedora nata!

Minha querida um forte abraço e muitos bjins só para ti!

Muita força!

Nela disse...

Já são dois anos de vitória sobre o bicho. E eu já percebi como é que o enrolas... É com essa vozinha doce. Ele deixa-se ir e mal dá conta, Zuca, já está debelado. Vai esconder-se noutro sítio, confiante e, Zuca, leva no totiço. E tu sempre com esse ar de uem não faz mal a uma mosca... Manhosa!

Estava a lembrar-me daquela história da armadilha para matar pulgas... Arranja-se uma folha de alface muito lisinha (tem que ser mesmo lisinha) e besunta-se com manteiga (sem sal). No fim, coloca-se uma pedra de sal, mas grandita. Aí entras tu a chamar a pulguita com essa voz de anjo. A pulga inocente vem, põe a patita na folha de alface, escorrega na manteiga e bate com a cabeçorra na pedra de sal. Voilá! Já era...

Com o bicho tem sido assim, só que ele escorrega nos líquidos da quimio, vem pelas artérias abaixo, bate com a cabeça num vaso capilar e pronto...

Esta conversa toda e estas histórias parvas são só para disfarçar a "emoçon" de ter uma amiga (que conquistou o 1º lugar de amiga do peito) corajosa, doce e serena como tu. Tal como dizia a Jen: um anjo na terra.

Adoro-te Covinhas!

Isa disse...

Olá Aida
Não te conheço mas conheço a tua história pelo teu blog, que lá vou espreitando de vez em quando...
És sem dúvida uma grande lutadora, e assim vais conseguir vencer esse bicho persistente a quem tu não dás trevas!...
Boa! Força!
Continua assim, és linda!
Um bjo
Isabel Alegria

Alda. disse...

Aidinha,
Tu és uma "Mulher do Caraças" sabes o que quer dizer não sabes? És daquelas que até de rastos caminha sempre em frente...
Querida, és uma pessoa fantástica!
Força! Força! Força!
Beijokinhas

IsaLenca disse...

Também vai fazer 1 ano, a 17 de Novembro, que te conheci pessoalmente. E és uma Mulher com M grande: nos teus olhos sempre muito expressivos emana uma força "do caneco" e uma simpatia e afabilidade espectacular. Também fui logo com a tua cara. E giro é verificar como a voz doce e calma "esconde" uma grande lutadora. E depois, tens covinhas (eheh!!eu também!) e és uma mulher do Norte, carago!
Beijinhos grandes.

de Bizet disse...

Admiro-te muito mh amiga e desejo que continues sempre com essa força a lutar contra esse bicho.
A tua garra é meio caminho andado para o dizimares.
Continua e luta que ele não há-de ser mais forte do que tu.
Um beijo sincero.Carmen.

laura disse...

*****

Bem, eu estou a chegar das "berças" ou seja de Bragança.
Fui num dia e vim no outro. Tudo lindo e tudo bom!

Agora chego aqui e vejo a história desta querida. É uma história que é verdadeira mas que se Deus quizer, vai terminar como nos contos de infância... tudo acaba bem e são todos muito felizes!

E é que tal como a nossa cachopa das covinhas, nós todas as amigas do peito, do coração, da alma... não abdicamos: Queremos a Vitória!
E venha ela, nós confiamos.
Vai uma beijoca das repenicadas,
laura